22256
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-22256,qode-social-login-1.1.2,qode-restaurant-1.1.1,stockholm-core-1.0.8,select-theme-ver-5.1.5,ajax_fade,page_not_loaded,vertical_menu_enabled,paspartu_enabled,menu-animation-underline,side_area_uncovered,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive

Guia de Práticas de Bem Viver: memória e sabedoria de mulheres da Amazônia maranhense

Criado em 2021, o projeto Emaranhadas, teve como objetivo, em seu primeiro ano, mapear e reunir as experiências de bem viver de mulheres da região metropolitana de São Luís (MA), em encontros onde pudessem interagir e intercambiar vivências e saberes.

 

Assim, foram pautados o direito por terra e território, as estratégias de manutenção do bem viver, com autocuidado e cuidado coletivo, tecnologias e receitas ancestrais de alimentos e remédios naturais para cura dos males diversos que podem nos acometem, bem como os processos auto-organizativos construídos por estas mulheres em suas comunidades.

 

Desta jornada, tivemos dois produtos principais: este site onde estão registradas todas as atividades desse primeiro ano de Emaranhadas: www.emaranhadas.org.br; e o livro, que disponibilizado de forma física e virtual, o Guia de Práticas para o Bem Viver: memória e sabedoria das mulheres da Amazônia maranhense.

 

A publicação é independente e, como o título sugere, traz dicas de 13 mulheres, co-autoras, alcançadas pelo projeto, com projeto gráfico, metodologia e organização realizados pelo Coletivo Etinerâncias.

 

Embora todas seja um livro de receitas, são chamadas de práticas de bem viver, pois revelam saberes populares em, por exemplo, como buscar na natureza um remédio para determinada enfermidade, ou como aproveitar melhor alimentos ou ainda reinventá-los como mecanismo para escapar da insegurança alimentar.

 

São receitas afetivas que elas aprenderam com seus familiares em momentos diferentes da vida e que as conectam com seu passado, presente e futuro.

 

Além disso, o exercício de colocar no papel tais receitas também realça a memória da luta diária por justiça ambiental e direito à natureza, colocando-se contra o afastamento estrutural, a marginalização e o empobrecimento relacionado ao conhecimento ancestral.

 

O Guia tem a pretensão, portanto, de salvaguardar a memória destas mulheres e perpetuar esses saberes para que as próximas gerações possam consultá-las e se inspirar para criar novas receitas de cuidado, e Bem Viver, respeitando a natureza e mantendo os saberes ancestrais vivos.

Versão Digital

 

Para baixar a versão digital do livro gratuitamente